Boi Gordo
R$ 274,78
02/12/2020
Soja (sc)
R$ 155,26
02/12/2020
Dolar
R$ 5,2437
02/12/2020
Bom dia! Hoje é quinta, 03 de dezembro de 2020
NOTÍCIAS / Meio ambiente

  • 19/11/2020 Meio ambiente

Pesquisador da UEL integra grupo sobre espécies ameaçadas de extinção

Mário Luís Orsi participa do Grupo de Avaliação Técnica do programa Pró-Espécies, do Ministério do Meio Ambiente. Ele diz que o motivo do convite foram seus estudos com peixes invasores na Bacia do Rio Paranapanema.


O participa o professor e pesquisador Mário Luís Orsi, da Universidade Estadual de Londrina (UEL), integra o Grupo de Avaliação Técnica (GAT), do Programa Nacional para a Conservação de Espécies Ameaçadas de Extinção – Pró-Espécies, do Ministério do Meio Ambiente.  São ações previstas pelo GAT, a elaboração de protocolos de avaliação de risco sobre espécies, detecção de impactos e formação técnica de gestores e agentes públicos e privados.

O professor Mário Luís Orsi, do Laboratório de Ecologia de Peixes e Invasões Biológicas da UEL, professor lembra que os estudos com peixes invasores na Bacia do Rio Paranapanema foram o motivo de ele ter sido convidado a compor o GAT.

Orsi explica que as invasões biológicas são consideradas um dos piores problemas para a biodiversidade e a sociedade. Ele cita como modelo a Covid-19, causada pelo novo coronavírus, responsável pela epidemia mundial. “O vírus é considerado um grupo invasor exótico. Esse é um problema relacionado diretamente à sociedade, mas indiretamente relacionado à degradação ambiental e perda de biodiversidade”.

PARANÁ – Na região de Londrina, entre as espécies invasoras e que causam problemas, o professor Mário Luís Orsi cita como exemplo a corvina, a tilápia e o tucunaré. “De uma forma geral, essas espécies causam a perda de serviços ambientais, moléstias, perdas econômicas e sociais, além de provocar extinções locais de espécies”, complementa o professor.

Ele destaca que o Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas da UEL foi o primeiro do país a ter uma disciplina específica sobre invasões biológicas. “Felizmente, agora, diversas outras instituições possuem também, o que nos deixa muito satisfeitos em ter colaborado com isso”, afirma o professor. “Nossa participação no plano nacional é um reconhecimento a esse apoio que tivemos, além dos trabalhos desenvolvidos pelos alunos e egressos da UEL tornando nossa universidade referência nesse assunto”, afirma.


Notícias relacionadas:

74 pássaros apreendidos são devolvidos à natureza

Barragem em propriedade rural exige regularização; veja o que fazer

Estudo mostra redução de 26,8 milhões de hectares de pastagens degradadas em áreas que adotaram o Plano ABC

Comentários Comente essa notícia

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.